PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE PAU DE BALSA COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE AIB

Code: 220910069
Downloads
11
Views
87
Compartilhe
Título

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE PAU DE BALSA COM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE AIB

Autores(as):
  • Maicon De Souza Pecegueiro

  • Eulalia Soler Sobreira Hoogerheide

  • Auana Vicente Tiago

  • Isane Vera Karsburg

  • Maurecilne Lemes Da Silva Carvalho

  • Maurel Behling

DOI
  • DOI
  • 10.37885/220910069
    Publicado em

    01/11/2022

    Páginas

    85-93

    Capítulo

    4

    Resumo

    Objetivo: Avaliar o efeito do Ácido Indol Butírico (AIB) na propagação vegetativa do pau de balsa por meio de estaquia. Métodos: Para o desenvolvimento da pesquisa foram realizados dois experimentos: No experimento 1 (E1) o material vegetativo foi coletado no município de Guarantã do Norte – MT. Já o experimento 2 (E2), o qual foi a replicação do experimento 1, as amostras foram retiradas em Alta Floresta – MT. Foram coletadas estacas provenientes de 10 matrizes, formando um mix amostral de 240 estacas para compor os tratamentos. O E2 foi realizado 90 dias após a finalização do E1. Tais estacas foram submetidas ao tratamento com cinco concentrações de AIB (2000, 4000, 6000, 8000 e 10 000 mg L-1 de AIB) e a testemunha (0 mg L-1 de AIB). As estacas foram avaliadas após 60 dias quanto as variáveis: sobrevivência, formação de calosidade e formação de raízes. Resultados: Aos 60 dias após o estabelecimento do E1, foi possível identificar uma quantidade de indivíduos vivos de 38,75 % em relação ao número total. Os indivíduos sobreviventes, 47,5 % foram estabelecidos pelo tratamento com 8.000 mg L-1 de AIB, seguidos pelos 45 % obtidos com 2.000 mg. L-1 de AIB, e 40 % com o tratamento sem a presença de AIB. Ao analisar a porcentagem de indivíduos vivos com presença de calos, se percebe uma baixa nos valores, porém os mesmos mantêm um perfil próximo aos apresentados para a sobrevivência. Embora tenha ocorrido a presença de calosidade em alguns indivíduos, e que outros ainda tenham se mantidos vivos durante os 60 dias, não foram o suficiente para estabelecer o desenvolvimento de raízes nas estacas. Conclusão: Não há efeito do AIB na propagação vegetativa do pau de balsa por meio de estaquia.

    Ler mais...
    Palavras-chave

    Ochroma pyramidale, Espécie nativa, Estaquia, Melhoramento florestal.

    Publicado no livro

    OPEN SCIENCE RESEARCH VI

    Licença

    Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

    Licença Creative Commons

    O conteúdo dos capítulos e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.

    Este site utiliza cookies. Usamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Ao continuar você concorda com a nossa política de utilização de cookies.

    Continuar