IDENTIFICAÇÃO E MANEJO EMERGENCIAL DA PSICOSE PÓS-PARTO

Code: 221010449
Downloads
45
Views
90
Compartilhe
Título

IDENTIFICAÇÃO E MANEJO EMERGENCIAL DA PSICOSE PÓS-PARTO

Autores(as):
  • Christian José Ferreira Silva

  • Sthella Lídia Gomes

  • Amanda Soares de Vasconcelos

DOI
  • DOI
  • 10.37885/221010449
    Publicado em

    02/01/2023

    Páginas

    1588-1599

    Capítulo

    105

    Resumo

    INTRODUÇÃO: A psicose pós-parto (PP) é um transtorno de humor pós-natal grave que comumente se manifesta como mania aguda, alucinações e depressão. Sob esse viés, a identificação precoce e a rápida intervenção farmacológica se tornam essenciais para a prevenção de eventos graves subsequentes, como suicídio materno e infanticídio. O transtorno supracitado demanda uma avaliação criteriosa do estado geral da paciente, incluindo a necessidade de hospitalização e garantia de segurança para a usuária, além da possibilidade de uso de benzodiazepínicos, antipsicóticos atípicos. Nessa perspectiva, a manutenção do tratamento em termos psicológicos e psicossociais se torna relevante à medida que infere na qualidade de vida das pacientes diagnosticadas com PP e evita a recidiva dos episódios agudos. OBJETIVO: Analisar os aspectos do atendimento de gestantes em episódios psicóticos agudos em ambiente hospitalar, por meio de uma análise da literatura científica entre janeiro de 2018 e julho de 2022. METODOLOGIA: Foram selecionadas publicações no banco de dados PubMed, utilizando-se os descritores: (postpartum psychosis) AND (emergency) AND (pregnant). Ademais, considerando-se o critério de inclusão de publicações dos últimos 5 anos, reduziu-se a pesquisa de 881 para 541 publicações. RESULTADOS: Em um estudo com 13 mulheres de 25 a 44 anos, uma já apresentava diagnóstico de desordem bipolar e 3 foram diagnosticadas posteriormente ao parto. Ademais, em 16 episódios agudos de psicose pós-parto vivenciados por essas mulheres, 94% desses episódios (13) foram manejados por intermédio de internação hospitalar. Outrossim, no que diz respeito à provisão de saúde mental, em 44% dos episódios (7), as mulheres estavam sob os cuidados secundários de uma equipe de saúde, o que demonstra uma baixa presença de continuidade da linha de cuidado na PP. Nessa perspectiva, os principais antipsicóticos utilizados são a lurasidona e o aripiprazol, além da administração de lítio de 6 a 9 meses, a fim de reduzir sintomas da doença, que podem se acentuar se forem conjugados a antidepressivos sem estabilizadores de humor. CONCLUSÃO: Em decorrência da gravidade da PP, é imprescindível a avaliação imediata do estado da paciente e, em alguns casos, a realização de internação hospitalar, como também da administração de medicamentos que visam ao manejo dos quadros agudos de psicose pós-parto. Ademais, faz-se necessária a assistência em saúde para prevenir a agudização e facilitar a recuperação, promovendo, assim, um suporte a longo prazo.

    Ler mais...
    Palavras-chave

    Gestantes, Internação, Psiquiatria.

    Publicado no livro

    OPEN SCIENCE RESEARCH IX

    Licença

    Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

    Licença Creative Commons

    O conteúdo dos capítulos e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.

    Este site utiliza cookies. Usamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Ao continuar você concorda com a nossa política de utilização de cookies.

    Continuar