FATORES DE RISCO DETERMINANTES PARA O DESENVOLVIMENTO DE DEPRESSÃO PÓS-PARTO REVISÃO INTEGRATIVA: DEPRESSÃO PÓS-PARTO

Code: 230212110
41
0
Título

FATORES DE RISCO DETERMINANTES PARA O DESENVOLVIMENTO DE DEPRESSÃO PÓS-PARTO REVISÃO INTEGRATIVA: DEPRESSÃO PÓS-PARTO

Autores(as):
  • Ana Paula De Paula

    PAULA, ANA PAULA DE

  • Bruna Daniel Alves Da Cruz

    CRUZ, BRUNA DANIEL ALVES DA CRUZ

  • Jordana Luara Silva De Souza

    SOUZA, JORDANA LUARA SILVA DE

  • Juliana Aparecida Versiani De Souza

    SOUZA, JULIANA APARECIDA VERSIANI DE

  • Kecyani Lima Dos Reis

    REIS, KECYANI LIMA DOS

  • LetÍcia CÉlia Rodrigues Marques

    MARQUES, LETÍCIA CÉLIA RODRIGUES

  • Luma Lopes De SÁ

    SÁ, LUMA LOPES DE

  • NatÁlia Santos Mesquita

    MESQUITA, NATÁLIA SANTOS

  • Rayssa Raymara Amaral De Oliveira

    OLIVEIRA, RAYSSA RAYMARA AMARAL DE

  • VitÓria Livia Sousa Silva

    SILVA, VITÓRIA LIVIA SOUSA

DOI
10.37885/230212110
Publicado em

31/03/2023

Páginas

198-211

Capítulo

16

Resumo

Introdução: A gravidez é um período de grandes transformações no corpo feminino, tornando-se um evento singular e marcante na vida da mulher, marcados por diversas emoções, onde são modificações complexas e individuais, que variam entre as gestantes podendo ocasionar medo, dúvidas, angústias e episódios depressivos decorrentes das incertezas correlacionadas à maternidade, mudanças essas que são provenientes do puerpério, portanto há crescente possibilidade de depressão principalmente no período de pós parto. Existem fatores de risco para o surgimento de Depressão Pós Parto (DPP) já identificados na literatura, e obter conhecimento a respeito deles é fundamental para auxiliar na detecção precoce de DPP. Objetivo: Analisar e identificar na literatura nacional os principais fatores associados à Depressão Pós Parto. Metodologia: Trata-se de uma Revisão Integrativa de Literatura (RIL) , de abordagem qualitativa, de artigos publicados entre 2017 e 2022, nas bases de dados Lilacs e Scielo em língua portuguesa. Resultados: Dentre os principais fatores de risco para o desenvolvimento de DPP encontrados na literatura, podemos destacar depressão anterior a gestação, baixo nível de escolaridade, situação de vulnerabilidade socioeconômica, ausência de apoio social e financeiro, bem como, gravidez não planejada ou não aceita e ausência do parceiro. Discussões: De acordo com estudos realizados, afirma-se que a prevalência de mulheres que apresentam sintomatologia depressiva no Brasil, variou de 11-24%, Onde foram encontradas associações relevantes entre DPP e características sociodemográficas e individuais, sendo as mais relevantes associadas a vulnerabilidade socioeconômica, história prévia de depressão, escolaridade e estado civil. Níveis de escolaridade inferiores assim como grávidas cujo estado civil discorde do casamento, possuem um risco duas vezes maior de desenvolverem DPP, assim como gravidas que relatam não ter recebido apoio durante a gestação, uma gravidez não planejada e a falta de apoio do pai do bebê, são fatores associados ao desenvolvimento de DPP, evidenciando que o relacionamento conjugal e ajuda insatisfatória, mostram-se como fator de risco para este desenvolvimento. As consultas de Pré-Natal e Puerperal são de suma importância para a detecção precoce de DPP bem como o conhecimento do médico acerca da etiologia de tal transtorno. Conclusão: Concluímos que a Depressão Pós Parto tem sido conteúdo frequente na área da saúde desde o final do século XX, sendo considerada um problema de saúde pública. onde destaca-se a importância do médico a respeito do conhecimento da etiologia da DPP.

Palavras-chave

Depressão Pós-parto, Fatores de risco, Puerpério e Sintomas Depressivos.

Autor(a) Correspondente
Licença

Este capítulo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

O conteúdo do capítulo e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.