ESTUDO MORFOLÓGICO, ANTIGÊNICO E MOLECULAR DO POXVÍRUS BEAN 58058 ISOLADO DA FLORESTA DE UTINGA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA

Code: 210504570
Downloads
14
Views
30
Compartilhe
Título

ESTUDO MORFOLÓGICO, ANTIGÊNICO E MOLECULAR DO POXVÍRUS BEAN 58058 ISOLADO DA FLORESTA DE UTINGA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA

Autores(as):
  • Ana Lucia Monteiro Wanzeller

  • Ana Lúcia P. de Souza

  • José Antônio Picanço Diniz Júnior

  • Sanderson Correa Araújo

  • Edivaldo Costa Júnior

  • Luciano Franco Oliveira

  • Eliana Vieira Pinto

  • Poliana Silva Lemos

  • João Lídio da Silva Gonçalves Vianez Júnior

  • Pedro Fernando da Costa Vasconcelos

DOI
  • DOI
  • 10.37885/210504570
    Publicado em

    03/07/2021

    Páginas

    258-272

    Capítulo

    15

    Resumo

    A cepa BeAn 58058 foi isolada de Oryzomys spp. na floresta de Utinga, Belém. Métodos sorológicos demonstraram reatividade com soro homólogo e com o soro do vírus Cotia. Estudos preliminares identificaram os vírus Cotia e BeAn 58058 como membros do gênero Orthopoxvirus, apresentando semelhança com uma cepa do vírus Vaccinia. Discordando da classificação inicial, pesquisadores de outro grupo reclassificaram o vírus Cotia e o colocaram em um gênero separado na família Poxviridae. Como o vírus BeAn 58058 é antigenicamente semelhante ao vírus Cotia e nossos testes moleculares iniciais não apresentaram resultado com primers descritos na literatura, realizamos o sequenciamento completo para o vírus BeAn 58058. Na metodologia foi utilizado cultura de células, microscópio eletrônico, testes antigênicos, infecção experimental e biologia molecular. Células Vero e gliais exibiram efeito citopático, porém o mesmo não foi visualizado em neurônios e astrócitos murinos, embora o antígeno de poxvírus pôde ser demonstrado por imunefluorescência em Vero, neurônios, astrócitos e microglia. Por contrastação negativa a partícula viral apresentou envelope e um tamanho de 200 nm de diâmetro. Cortes ultrafinos mostraram partículas virais envelopadas no citoplasma com diferentes estágios de maturação. Os animais infectados não apresentaram sinais clínicos ou lesões externas durante a avaliação visual. No exame post mortem, foram observadas alterações macroscópicas no fígado do grupo infectado desde o 15º dpi até o 30º dpi, que apresentava aspecto globoso e pálido; no 15º dpi, estrias e focos hemorrágicos nos rins também foram observados; e no 25º dpi o baço de apenas um animal apresentava aspecto globoso. O genoma total recuperado foi de 162.700nt de comprimento com uma cobertura média de 297 ×. A análise filogenética indicou que a cepa BeAn 58058 pertencia a um clado separado junto com o vírus Cotia dentro da família Poxviridae, removendo esse vírus da classificação feita inicialmente como Orthopoxvirus. Sugerimos o nome Oryzomyvirus e propomos incluí-lo no gênero Oryzopoxvirus. Embora a cepa BeAn58058 não tenha sido capaz de induzir doença nervosa, foram observadas alterações macroscópicas do fígado, que podem sugerir tropismo hepático. Estudos futuros são necessários para verificar a infecção e a patogênese viral no modelo estudado.

    Ler mais...
    Palavras-chave

    Poxviridae, gênero Oryzopoxvirus, Roedores, Sequenciemento genômico.

    Licença

    Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

    Licença Creative Commons

    O conteúdo dos capítulos e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.

    Este site utiliza cookies. Usamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer recursos de mídia social e analisar nosso tráfego. Ao continuar você concorda com a nossa política de utilização de cookies.

    Continuar