CONSIDERAÇÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DO STICKY BONE EM ODONTOLOGIA

Code: 230814204
8
0
Título

CONSIDERAÇÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DO STICKY BONE EM ODONTOLOGIA

Autores(as):
  • João Paulo De Carli

    Carli, João Paulo de

  • Micheline Sandini Trentin

    Trentin, Micheline Sandini

  • Juliane Bervian

    Bervian, Juliane

  • Aline Bassani Deconto

    Deconto, Aline Bassani

  • Nathália Guiomar Suzin

    Suzin, Nathália Guiomar

  • Marciele Cristiane Spanenberg Fuhr

    Fuhr, Marciele Cristiane Spanenberg

  • Letícia Copatti Dogenski

    Dogenski, Letícia Copatti

  • Pedro Henrique Corazza

    Corazza, Pedro Henrique

DOI
10.37885/230814204
Publicado em

30/09/2023

Páginas

154-172

Capítulo

8

Resumo

O processo natural de cicatrização em qualquer ferida inicia-se como coagulação sanguínea, levando a coágulo e matriz de fibrina/plaquetas. O conceito de sticky bone (I-PRF misturado com enxerto ósseo) foi introduzido por SOHN (2010). Colas de fibrina, selantes de fibrina ou adesivos teciduais de fibrina são derivados do plasma humano que se assemelham aos estágios finais da coagulação sanguínea, nos quais um coágulo de fibrina é formado. Concentrados plaquetários foram introduzidos para reforçar o processo natural de cicatrização de feridas. Ao longo dos últimos 40 anos, essa ideia evoluiu para um conceito mais refinado de regeneração tecidual, que foi reforçado pelas células e pelos fatores de crescimento contidos nessas preparações. O objetivo do presente capítulo consiste em explanar, a partir de uma revisão narrativa da literatura, o estado atual da arte acerca da obtenção e utilização do sticky bone em Odontologia.

Palavras-chave

Enxertos ósseos; Sticky bone; Enxertia autógena.

Autor(a) Correspondente
Licença

Este capítulo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

O conteúdo do capítulo e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.