AVALIAÇÃO DA MORFOLOGIA HEPÁTICA EM RATOS APÓS ADMINISTRAÇÃO DO RANELATO DE ESTRÔNCIO

Code: 230412781
10
0
Título

AVALIAÇÃO DA MORFOLOGIA HEPÁTICA EM RATOS APÓS ADMINISTRAÇÃO DO RANELATO DE ESTRÔNCIO

Autores(as):
  • Caio Dias Oliveira

    Oliveira, Caio Dias

  • Eliana Dos Santos Câmara Pereira

    Câmara-Pereira, Eliana Dos Santos

  • Isabela Cerqueira Barreto

    Barreto, Isabela Cerqueira

  • Laise Monteiro Campos Moraes

    Moraes, Laise Monteiro Campos

DOI
10.37885/230412781
Publicado em

31/05/2023

Páginas

38-51

Capítulo

3

Resumo

Introdução: o fármaco ranelato de estrôncio (RE) é muito utilizado na terapêutica profilática e no controle da osteoporose. Age sistemicamente diminuindo a reabsorção e aumentando a formação óssea, apresentando eventos adversos pouco esclarecidos na literatura, à exemplo a síndrome DRESS com envolvimento hepático. Objetivo: avaliar a morfologia hepática em ratos norvegicus albinus após administração do RE. Metodologia: estudo experimental com 10 ratos, divididos aleatoriamente em dois grupos, Grupo Controle (GC), sem administração do RE, e Grupo Ranelato de Estrôncio (GRE), ambos acompanhados durante 15 dias, e, em seguida, sacrificados e o fígado de cada animal colocado para fixação no solução de formaldeído a 4% durante 48 horas. Após essa etapa, foram realizados os procedimentos necessários à análise pela microscopia óptica, com lâminas coradas pela hematoxilina e eosina, e picrosirius red.Resultados: nos GC e GRE foram encontradas alterações similares, como reação ductular, dilatação sinusoidal e fibrose perissinusoidal, com intensidades distintas entre os grupos, sendo a reação ductular mais proeminente no GC, e a dilatação sinusoidal e fibrose perissinusoidal mais pronunciada no GRE. Além disso, no GC foram evidenciados achados inflamatórios, como presença de infiltrado inflamatório misto e hiperplasia de células de Kupffer, não visualizados no GRE, implicando numa possível ação anti-inflamatória do RE. Conclusão: pode-se concluir que foram visualizadas diferenças nos achados morfológicos do parênquima hepático dos ratos tratados com o RE em comparação aos não tratados, ainda que esses achados não sejam suficientes para inferir a incidência de um processo patológico característico, como cirrose ou hepatite.

Palavras-chave

Ranelato de estrôncio, Toxicidade hepática, Síndrome DRESS.

Autor(a) Correspondente
Licença

Este capítulo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

O conteúdo do capítulo e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.