ANÁLISE CRÍTICA DA TÉCNICA DE IMUNOFLUORESCÊNCIA DIRETA NO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA RAIVA DO INSTITUTO PASTEUR DE SÃO PAULO, BRASIL

Code: 220909948
50
0
Título

ANÁLISE CRÍTICA DA TÉCNICA DE IMUNOFLUORESCÊNCIA DIRETA NO DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA RAIVA DO INSTITUTO PASTEUR DE SÃO PAULO, BRASIL

Autores(as):
  • Nathália De Barros Salvino Alves

    Alves, Nathália de Barros Salvino

  • Graciane Maria Medeiros Caporale

    CAPORALE, GRACIANE MARIA MEDEIROS

  • Juliana Galera Castilho

    CASTILHO, JULIANA GALERA

  • Rafael De Novaes Oliveira

    OLIVEIRA, RAFAEL DE NOVAES

  • Carla Isabel Macedo

    MACEDO, CARLA ISABEL

  • Enio Mori

    MORI, ENIO

  • Samira Achkar

    ACHKAR, SAMIRA

DOI
10.37885/220909948
Publicado em

01/11/2022

Páginas

381-396

Capítulo

25

Publicado no livro

OPEN SCIENCE RESEARCH VI

Resumo

Embora a Organização Mundial da Saúde preconize a técnica de Imunofluorescência Direta (IFD) como padrão ouro para o diagnóstico laboratorial da raiva, fatores externos podem influenciar o limiar de detecção do antígeno viral, como a conservação da amostra, a estrutura laboratorial, os insumos utilizados e o treinamento dos profissionais. Objetivos: analisar criticamente a técnica de IFD no Laboratório de Diagnóstico da Raiva do Instituto Pasteur, a fim de detectar eventuais fatores externos que possam limitar ou diminuir sua acurácia, visto que o resultado laboratorial tem papel determinante na tomada de decisão quanto ao tratamento de indivíduos expostos ao risco de infecção pelo vírus da raiva. Métodos: foram analisados os dados referentes ao estado de conservação da amostra, bem como os resultados do diagnóstico de 7266 amostras de Sistema Nervoso Central (SNC) de animais suspeitos recebidas durante o ano de 2019. Foi realizada a avaliação prática dos procedimentos laboratoriais relacionados à IFD. Resultados e Conclusões: 96.8% das amostras recebidas para diagnóstico apresentavam condições adequadas de conservação. A fixação do tecido cerebral em acetona demonstrou equivalência sob ambas condições analisadas; à temperatura ambiente e a -20ºC. Os sistemas utilizados para diluição do conjugado apresentaram eficácia ficando evidente a viabilidade da substituição de suspensão de CVS produzido in vivo para in vitro. Resultados da IFD negativos apresentaram concordância de 99,9% com as demais técnicas aplicadas, o que demonstra confiabilidade nesta metodologia diagnóstica. A IFD de amostras de equinos e amostras em condições inadequadas de conservação apresentaram sensibilidade de 50% e 75%, respectivamente, reforçando a necessidade de metodologias moleculares complementares.

Palavras-chave

Raiva, Imunofluorescência Direta, Diagnóstico Laboratorial.

Autor(a) Correspondente
Licença

Este capítulo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

O conteúdo do capítulo e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.