AGRONEGÓCIO E A FRUTICULTURA IRRIGADA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: RISCOS E VULNERABILIDADES OCUPACIONAIS DA AGRICULTURA TRADICIONAL

Code: 230513221
38
0
Título

AGRONEGÓCIO E A FRUTICULTURA IRRIGADA NO VALE DO SÃO FRANCISCO: RISCOS E VULNERABILIDADES OCUPACIONAIS DA AGRICULTURA TRADICIONAL

Autores(as):
  • Stefânia Evangelista dos Santos Barros

    Barros, Stefânia Evangelista dos Santos

  • Patrícia Shirley Alves de Sousa

    Sousa, Patrícia Shirley Alves de

  • Edvania Barbosa da Luz Martins

    Martins, Edvania Barbosa da Luz

  • Hélia dos Santos Silva

    Silva, Hélia dos Santos

  • Márcia Bento Moreira

    Moreira, Márcia Bento

DOI
10.37885/230513221
Publicado em

19/06/2023

Páginas

16-36

Capítulo

1

Resumo

INTRODUÇÃO: O agronegócio, no Nordeste, teve seu marco com o início da agricultura capitalista no semiárido do Nordeste, remodelando o formato de produção, e o contexto de muitas regiões, especialmente no setor econômico-social, passando a ser comandadas por grandes empresas rurais. Contudo, a implantação da tecnologia pelo sistema de produção, acarretou a adição de fertilizantes e agrotóxicos pela indústria química. Os agroquímicos expandiram intensamente, gerando riscos à saúde no manuseio e consumo de produtos com agrotóxicos. OBJETIVO: Abordar conceitualmente a organização do agronegócio no Brasil, Nordeste e Vale do São Francisco, tendo sua aplicação na fruticultura irrigada e por fim seu impacto ao meio ambiente e a saúde das pessoas expostas. METODOLOGIA: Como processo metodológico do trabalho, foi feito uma revisão de literatura sobre os temas. RESULTADOS e DISCUSSÃO: No Brasil, Nordeste e Vale do São Francisco, o agronegócio se destaca pela difusão da agroindústria, tendo aplicação na agricultura de capital financeiro, assim como alterações no modo de produção, exploração dos recursos naturais e força de trabalho. No Vale do São Francisco possui maior representatividade na região da produção de frutas in-natura ao mercado internacional, com destaque ao polo de Petrolina e Juazeiro no bloco de produção de manga e uva. Em relação exposição ocupacional e os impactos na saúde dos agricultores foram relatados ocorrência de sintomas de mal-estar no trabalho; foram mencionados : dor de cabeça, sufocamento, falta de ar, tontura, vômito, náusea, mal-estar, fraqueza, olhos vermelhos, dores musculares, coceira, irritação e feridas na pele; dentre outras doenças de caráter crônico decorrentes da intoxicação porá agrotóxicos . CONCLUSÃO: Dentre as vulnerabilidades, percebeu-se que o baixo grau de escolaridade é evidente e se torna um desafio no que se refere à compreensão da rotulagem dos agrotóxicos e sua implicação toxicológica e ambiental. Além disso, os agrotóxicos usados nesta região representam alto teor de contaminação, tanto para o ambiente como para a saúde humana porque, em sua maioria, os agricultores não utilizam os equipamentos de proteção individual (EPIs) ou o utilizam incompletos, o que caracteriza um grave risco de intoxicação. Logo se avolumam tais vulnerabilidades que propiciam a contaminação, quanto o adoecimento deste agricultor.

Palavras-chave

Agricultura, Agronegócio, Agrotóxico, Risco Ocupacional, Saúde do Trabalhador.

Autor(a) Correspondente
Licença

Este capítulo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

O conteúdo do capítulo e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.