A TAXA DE REPOSIÇÃO DE LEITOAS REALMENTE MUDOU PARA 50%?

Code: 201202548
7
13
Título

A TAXA DE REPOSIÇÃO DE LEITOAS REALMENTE MUDOU PARA 50%?

Autores(as):
  • Robson Carlos Antunes

    Antunes, Robson Carlos

  • Jéssica Silva Soares

    Soares, Jéssica Silva

DOI
10.37885/201202548
Publicado em

02/04/2021

Páginas

34-41

Capítulo

2

Resumo

A taxa de reposição anual de leitoas é matematicamente igual à soma das taxas anuais de mortalidade e de descarte de fêmeas. Recomenda-se uma taxa de reposição média de 40% ao ano que pode variar de 35 a 45%. Esta recomendação é de cunho econômico, mas, também, biológico; pois, propicia a manutenção de uma estrutura etária do plantel com imunidade adequada. Quando se pratica taxas de reposição acima de 45% há uma concentração maior de fêmeas jovens no rebanho, que torna a produção mais desafiadora em termos de sanidade do plantel. Esta palestra questiona e discute o impacto do aumento da taxa de reposição anual de leitoas nos sistemas intensivos de produção de suínos modernos e atuais e aponta possíveis caminhos para se adequar os mesmos a nova realidade.

Palavras-chave

mortalidade de fêmeas, taxa de retenção, suinocultura, longevidade

Autor(a) Correspondente
Licença

Este capítulo está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

O conteúdo do capítulo e seus dados e sua forma, correção e confiabilidade, são de responsabilidade exclusiva do(s) autor(es). É permitido o download e compartilhamento desde que pela origem e no formato Acesso Livre (Open Access), com os créditos e citação atribuídos ao(s) respectivo(s) autor(es). Não é permitido: alteração de nenhuma forma, catalogação em plataformas de acesso restrito e utilização para fins comerciais. O(s) autor(es) mantêm os direitos autorais do texto.